عربي - Deutsch - Française - Português - Español - - Italiano - русский

Chat ao vivo

Chat ao vivo

Se quer colocar qualquer pergunta acerca do Islam!

Como se verter ao islamismo?

Como se verter ao islamismo?

Nos estamos do seu lado em qualquer tempo, Coloque a sua questao e nos as respondemos gracas a Allah

Na última década o número de brasileiros que decidiram seguir ao islamismo cresceu 25%, no Rio de Janeiro 85% dos frequentadores são convertidos e Salvador  70% dos fiéis não nasceram islâmicos.Na última década o número de brasileiros que decidiram seguir ao islamismo cresceu 25%, tanto que algumas mesquitas o número de novos convertidos é maior do que o de mulçumanos como, por exemplo, no Rio de Janeiro onde 85% dos frequentadores são convertidos e Salvador onde 70% dos fiéis não nasceram islâmicos.

É possível encontrar até ex-evangélicos que agora segue o Alcorão e as leis do Islã, como é o caso de Alexsandra Alves de Brito, 33, convertida ao islamismo desde os 20, hoje casada com um mulçumano com quem tem dois filhos. Alexsandra antes frequentava a Igreja Assembleia de Deus.

“O que me chamou a atenção foi a valorização da mulher. Na sociedade brasileira, a mulher é muito vulgarizada, tem que atrair os homens. No Islã, a mulher tem que ser recatada, bem educada. Até falar baixo faz parte dos costumes”, diz Alexsandra para uma reportagem do portal Delas do IG.

Hoje a ex-assembleiana moradora da cidade de São Paulo tem uma loja que vende vestimentas típicas para mulheres islâmicas, já que no Brasil é difícil de encontrar. Para adequar a vestimenta das novas adeptas ao clima tropical do Brasil, Alexsandra está trazendo os “burquínis” para ser usado em praia e piscinas. “As mulheres não usavam aqui por não achar, mas agora está mais fácil”, diz.

A reportagem destaca o preconceito que essas mulheres, revertidas, termo usado por eles para se referir a quem se converteu ao Islã, acabam sofrendo. Uma das entrevistadas, a cabeleireira Pamela Juliana Gomes Pereira, 29, revertida há seis meses, contou que sofreu preconceito ao vivenciar seu primeiro Ramadã, mês em que o fiel deve fazer jejum da alvorada ao pôr do sol. “Não foi fácil. Como minha família não é muçulmana, tive que cozinhar sem colocar comida na boca”, conta. “Minha mãe é evangélica, achou absurdo ficar sem comer”, disse.

.................................................

Fonte :

http://gospel.variaditos.com