عربي - Deutsch - Française - Português - Español - - Italiano - русский

Chat ao vivo

Chat ao vivo

Se quer colocar qualquer pergunta acerca do Islam!

Como se verter ao islamismo?

Como se verter ao islamismo?

Nos estamos do seu lado em qualquer tempo, Coloque a sua questao e nos as respondemos gracas a Allah

 

 

Fala-se muito da civilização e do Mundo civilizado, mas impõe-se uma pergunta: que tipo de civilização é defendida pelos que se dizem civilizados?

A civilização, sendo uma parte da religião isslâmica que abrange todas as esferas da vida, tanto individual como colectiva, baseada nas normas e valores ensinados pelo último dos profeta de Deus, Muhammad (S.A.W.), é um ideal para o resto do Mundo até à sua extinção.

Todavia, a arrogância por parte do Ocidente, talvez devido ao avanço tecnológico que conheceu, leva a que exporte e imponha o seu próprio estilo e modelo de civilização para resto do Mundo.

O termo “liberdade” como está sendo entendido hoje, é uma ilusão. É um nome errado aplicado a uma palavra correcta.

Ninguém no Mundo goza de liberdade absoluta, pois a nossa conduta, actividade e fala são regulados por normas, tanto mundanas como divinas.

Da mesma maneira que nas estradas e avenidas há regras de circulação, no espaço aéreo ou marítimo há regras de navegação, no comércio há normas que regem a prática de compra, venda, trespasse, etc., a vida no Mundo também tem as suas regras de convivência. Se cada um tem a liberdade de fazer o que quer, então por que razão precisamos da autoridade para fazer respeitar a lei e ordem?

Ninguém goza de liberdade sem restrição na escolha do alimento, vestuário ou nas preferências. Existem regras que governam a nossa vida inteira.

No Isslam, o direito à liberdade de expressão está bem definido. As diferenças de opinião são válidas, mas a liberdade de expressão também tem as suas regras.

Por forma a se manterem as boas relações entre as diversas religiões, o Al-Qur’án ordena que nos abstenhamos de ofender, zombar ou insultar as outras religiões.

Proíbe igualmente a blasfémia, a calúnia e a difamação, dirigidas a quem quer que seja, pois isso é susceptível de criar ódios e rancores nos corações dos ofendidos, podendo eventualmente degenerar em clima de agitação social por esse Mundo fora, o que decerto perigará a paz e a convivência salutar entre as pessoas.

É inconcebível e inadmissível que um governo permita que cidadãos seus sujem o bom nome do respectivo país, provoquem a ira de milhões de pessoas, denegrindo a imagem de um povo inteiro!

Se algumas pessoas, talvez uma meia dúzia, acham que têm o direito de dizer o que quiserem, que dizer então, do direito que têm 1.300.000 muçulmanos espalhados por esse Mundo fora? Será que todos esses que se insurgem não têm o direito de proteger os seus sentimentos de actos de ofensa e desrespeito? Será que estes não são humanos, tal e qual o são os cidadãos ocidentais? Ou será que os ocidentais são mais humanos que os outros?

Se em democracia o que conta é o número, então que saibam que os que discordam dos actos ofensivos à sua fé e crença, são a maioria, relativamente aos promotores das ofensas.

E por que razão a liberdade de expressão é constantemente usada para zombar e ridicularizar a religião isslâmica ou a pessoa do Profeta Muhammad (S.A.W.)? Não estaremos perante uma provocação deliberada?

Será que se trata de crianças cujos pais não lhes deram brinquedos, livros, cadernos e lápis de cor para pintarem o que quisessem quando ainda pequenos, e só agora, depois de crescidos é que querem brincar?

Porquê os mesmos jornais e actores não se dedicam a escrever também as virtudos e o mérito do Profeta? Por que razão insistem em comportar-se como moscas e não como abelhas? Isso revela que há maldade nos seus corações.

Por que razão na França, na semana passada, o governo proibiu a publicação de fotografias do príncipe William e de sua esposa - herdeiros da coroa britânica – fotos estas tiradas quando gozavam as suas férias na Ilha Solomon, por achar que eram ofensivas e atentavam contra a sua vida privada?

A campanha contra Muhammad (S.A.W.), o nobre Profeta, é bastante antiga, pois em todas as eras surgiram fanáticos e maldosos que o ofendiam, mas não ganharam nada. É como se estivessem cuspindo para a Lua, e aí o cuspo voltava a cair nas suas caras.

A figura de Muhammad (S.A.W.) é deveras grandiosa enquanto que a dos seus detractores é deveras pequena. Assemelham-se a falsos arcos nas mãos de arqueiros cansados e caducos. Por isso nunca terão êxito, e Deus frustrará sempre os seus planos.

O exemplo de vida do Profeta Muhammad (S.A.W.) não se resume apenas à sua biografia, história e lei integrada. Está acima de todo um modelo de excelência. Somente o seu carácter reles e a sua arrogância levam a que eles não o conheçam, e assim o denigram.+

O Isslam é a religião de continuidade e de universalidade. Continuidade desde o tempo do profeta Adão, e universalidade por cobrir todos os cantos  do Globo. Os ensinamentos transmitidos pelo Profeta espalham a luz de tolerância e de Direitos Humanos para a orientação da Humanidade em todos os assuntos da vida.

Duncan Greenless diz no seu livro “TheGospel of Isslam”:

A nobreza e a vasta tolerância desta crença que aceita todas as religiões do Mundo como inspiradas por Deus, serão sempre um legado glorioso para a Humanidade. De facto, pode-se edificar acima disso uma religião perfeita do Mundo.

Uma outra figura ilustre, Sarojini Naidu, distinta oradora e poetisa, falando do Profeta, comenta nos seguintes termos:

O senso de justiça é um dos ideais maravilhosos do Isslam..... Foi a primeira religião que ensinou e aplicou a democracia, pois quando a partir dos minaretes das mesquitas é feito o chamamento e os adoradores se juntam, torna-se clara a democracia do Isslam cinco vezes por dia, quando o aldeão e o rei se prostram lado a lado e proclamam “Só Deus é Grande”!